Impotência após cirurgia de próstata

É importante esclarecer que a cirurgia que pode causar a impotência como consequência é a prostatectomia radical. Outras cirurgias mais simples, como a RTU de próstata, raramente vão afetar sua vida sexual.

No caso da prostatectomia radical, indicada em casos de câncer, a situação é mais delicada, podendo ocorrer alterações na função erétil, no orgasmo e na libido.

O índice de homens que passam pela impotência depois desta cirurgia é de aproximadamente 90%.

O paciente que se submete a prostatectomia radical não ejacula mais pois os condutores dos espermatozoides são interrompidos e as vesículas seminais são retiradas junto com a próstata. Não existe mais produção de sêmen.

Este fato por si pode ocasionar um problema de ordem psicológica no paciente, mas, especialistas afirmam que é possível ter uma vida sexual ativa e saudável após esta cirurgia.

Após a retirada da próstata é possível recuperar a função erétil?

Especialista afirmam que os riscos variam muito (entre 30 e 100%), de acordo com a idade, tratamentos medicamentosos, estado físico e emocional do paciente.

Estatísticas demonstram que, na maioria dos casos, a dificuldade de ereção apresenta uma melhora com o tempo.

Homens acima dos 65 anos, 30% voltam a ter a mesma capacidade erétil após a cirurgia. Nos homens com idade inferior a 60 anos, a recuperação das funções eréteis são de 60 a 70%.

É bom lembrar que o quadro deve ser visto como um todo e são vários os fatores que podem influenciar na disfunção, como por exemplo: arteriosclerose, tabagismo, diabetes, nível alto de colesterol, hipertensão arterial, problemas cardíacos, entre outros.

Contudo, os urologistas afirmam que uma grande parcela de pacientes recupera a ereção com o passar do tempo. E podem ter um bom desempenho usando géis penianos como V8 Big Size antes da relação sexual.

Este tempo requer paciência pois não existe uma regra e pode variar bastante de uma pessoa para outra podendo chegar a 2 anos em alguns casos.

Neste período de reabilitação seu médico poderá utilizar uma combinação de medicamentos injetáveis, medicamentos via oral ou até mesmo a bomba peniana.

O acompanhamento médico é muito importante para que seja atingido o objetivo final que é a recuperação da sua vida sexual em plenitude.

Durante este período seu médico pode também avaliar a necessidade de um acompanhamento psicológico se considerar necessário.

Durante este período de espera é necessário que o paciente mantenha assiduidade nas relações sexuais para que haja estímulo das funções.

Se a situação não apresentar melhora depois deste período (depende da avaliação médica) provavelmente seu urologista recomendará uma prótese peniana.